sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Humor inteligente


Na linha de Les Intouchables ou Les Petits Mouchoirs, Retour chez ma Mère, inexplicavelmente traduzido por "Isto só a mim", é um daqueles deliciosos filmes franceses que nos diverte e deixa de bom humor, sem recorrer a alarvidades parvas, ou conneries, para estar mais no espírito.
A história, simultaneamente banal e plena de actualidade, centra-se no regresso de Stéphanie (Alexandra Lamy) à casa materna por, aos quarenta anos, ter ficado sem emprego e sem dinheiro, com tudo o que isso implica de (re)adaptação e de tensão latente.
É uma comédia, claro que sim, mas aborda também a complexidade das relações familiares em toda a sua ambiguidade e, apesar de um final talvez demasiado cor de rosa, fá-lo com ternura, com inteligência e com delicadeza. Josiane Balasko é excelente no papel da matriarca e é a ela que se devem as mais divertidas situações.
Enfim, não é um grande filme, não se trata de uma obra-prima, naturalmente, mas cumpre aquilo que o cinema deve ser e que se consegue sem grandes efeitos especiais: contar uma boa história, bem interpretada, com ritmo, e deixar-nos a sensação de leveza de quem passou um bom momento.
E para quem tem a ideia de que o cinema francês é muito "intelectual", aqui está uma vez mais a prova da sua imensa diversidade. É por isso, pela língua que tanto gosto de ouvir, e por muitas outras razões, que gosto tanto dele.

2 comentários:

  1. Estamos bisbilhotando assuntos interessantes para postar nas redes sociais, principalmente os assuntos que se encadeia naquilo que Kardec define como princípio inteligente para o ser humano !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entendo o sentido do comentário, sinceramente...

      Eliminar