quinta-feira, 7 de novembro de 2013

L'Étranger



Devia ter dezasseis ou dezassete anos quando li l' Étranger pela primeira vez. E esse contacto inicial com um dos grandes autores da literatura francesa foi para mim de uma importância determinante, apesar de, na altura, não ter sequer consciência disso. Mas lembro-me ainda da estranheza que o livro me causou, misto de desconforto, apego e inquietação. A ponto de nunca mais ter conseguido esquecer o seu fortíssimo incipit: Aujoud'hui, maman est morte. Ou peut-être hier, je ne sais pas.
E de querer conhecer mais livros e autores da língua pela qual tenho, ainda hoje, uma tão grande paixão. Só mais tarde viria a perceber que esta obra, publicada em 1942, adapatda ao cinema em 67 por Visconti, traduzida em variadíssimas línguas e muito lida, mesmo na actualidade, é um dos textos incontornáveis da literatura-mundo.
Albert Camus (1913-1960), o seu autor, nasceu há exactamente cem anos. É um escritor que me marcou, um dos que fazem parte da minha vida. Foi o DO que me relembrou a comemoração do centenário. E, uma vez mais, vale a pena ler o que Pedro Correia escreveu sobre ele
E para os que acham que a literatura só interessa às pessoas das Humanidades, aí está a prova de que ela pode ser capaz de modificar-nos e de nos ensinar a procurar um significado para a vida, nem que seja na coexistência com a sua impossibilidade.

6 comentários:

  1. "estranheza que o livro me causou, misto de desconforto, apego e inquietação". Parecem os ingredientes necessários para ficarmos presos a um livro, ou pelo menos alguns dos necessários.

    Ah, eu sou das... Humanidades :)

    ResponderEliminar
  2. Das Humanidades devíamos ser todos, Maria. As coisas não são incompatíveis, apesar de muitos nos quererem fazer crer o contrário. E falta muita "humanidade" por aí... ;)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Fora de tópico

    Helena Sacadura Cabral poderá ser vista e ouvida no próximo sábado, no programa do Herman José.
    Junte-se Margarida Rebelo Pinto.
    A ver, não tenho dúvida.

    ResponderEliminar
  4. Já sabia, António, mas agradeço-lhe na mesma. Ouvir HSC é sempre um prazer, E no entanto, neste caso não sei. É que não aguento o Herman. E nem devo estar em casa. Talvez veja mais tarde na internet.

    Espero que continue em franca recuperação. Bom fim de semana. Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Li na universidade, no original. Hoje acho que já não conseguia - perdi o francês pelo caminho. Adorei, claro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu, em podendo, prefiro sempre ler no original. :)

      Eliminar