segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Uma amizade especial

 
O mais bonito das amizades é o que há nelas de inexplicável, naquele resto de sentimento irredutível às palavras e em tudo o que experimentamos e sabemos sem precisar de o dizer.
Entre nós existe um segredo que ninguém conhece nem poderia compreender, imune a tudo o que lhe é exterior, feito de silêncios e do que nos vamos contando, de descobertas subtis, de intimidade e de partilha.
Não importa o que foi, o que poderia ter sido ou será, mas somente o que é hoje, agora, tu aí e eu aqui, cada um com a sua vida e, ainda assim, ligados por um fio invísivel que deixa às vezes  a distância fazer-se mais pequena, na magia dos instantes em que de repente nos sentimos muito perto e, com os corações em sintonia, percorremos um caminho que não sabemos onde vai dar e  se vai descobrindo de uma forma totalmente livre, sem pressa nem destino, sem se questionar nem deter, deixando as palavras e o tempo fluir. Apenas isto.
A nossa amizade é uma daquelas coisas abençoadas e incompreensíveis, que surge não se sabe como nem porquê, que se vai tornando enorme, que o tempo e a distância tornam ainda mais cúmplice, que nos enche a alma e o coração, na certeza doce e terna de sabermos como é forte e especial o que nos une e no esplendor emocionado deste laço que tem um nó muito apertado.
Não quero que te habitues mal, mas sim, desta vez (só desta!), isto é para ti. Porque este dia é teu!...
(Fotografia de Paulo Abreu e Lima)

10 comentários:

  1. Bonito texto.

    Não sei bem o que são amizades duradoiras, embora as tenha. Pouco me dou com amigas, fui sempre um pouco arisca, embora esteja disposta a fazer tudo pelas poucas que conservo. Tenho amigos também e com mais facilidade, talvez.

    Foto maravilhosa do Paulo, tirada nos Açores, pois claro!

    Bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Virgínia.
      A amizade de facto pode ser das mais belas coisas da vida.

      A fotografia do Paulo, dos Açores, obviamente, é tão bonita como todas as outras.

      Beijinho :)
      Isabel

      Eliminar
  2. A flor diz-me muito!Somos conterrâneas de gema.
    Obrigada pelo texto e pela bela Hortência!
    Beijinho.

    Madalena Amaral.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca estive nos Açores, Madalena, mas algum dia será.

      Beijinho
      Isabel

      Eliminar
  3. Bom, sou suspeita...mas garanto-lhe que as ilhas açorianas são referências de belezas naturais mundiais!Não vivo nos Açores.Tenho a minha residência perto de Lisboa, há 25 anos...Quando lá for conte-nos coisas. Já sei que tem imenso jeito!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Contarei, mas não sei bem quando. A minha ida aos Açores não está (ainda) prevista.

      Beijinho
      Isabel

      Eliminar
  4. Adorei este seu post! Doce, terno, profundo, subtil... Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Maria Vitória!

      Um beijinho
      Isabel Mouzinho

      Eliminar